terça-feira, 1 de março de 2011

Casa de Ferreiro, Espeto de Pau

Em meados do ano passado fiz uma visita a escola do meu filho mais novo. Ao chegar a recepção me deparei com vários paineis com trabalhos sobre o livro "Vidas Secas" de Graciliano Ramos. Em vários banners os alunos explicavam através de figuras, frases e  pequenos textos,  suas impressões e interpretações a respeito dessa obra.  Fiquei maravilhada e me reportei aos anos de 1977 ou 1978, quando, adolescente, também li e me apaixonei por esse escritor. Surpresa maior ainda quando li em um dos paineis o nome do meu filho como um dos autores do trabalho.


Cheguei em casa feliz da vida e fui então comentar com ele  da minha alegria em saber que havia lido "Vidas Secas". Numa empolgação só, fiz uma avalanche de perguntas: o que achou da história? Da situação dos nordestinos, da seca , do papagaio de estimação  que serviu de alimento para a família, da morte  da cadela Baleia? Meu filho olha pra mim atônito com tantas perguntas e antes que eu continue, fala em alto e bom som: mas eu só li o segundo capítulo. O que? Só um capítulo, por que? Ele responde na maior tranquilidade:  porque meu grupo precisava apresentar somente o segundo capítulo mãe.

Ai gente que vontade de chorar. Como pode uma coisa dessa? Não consegui transferir para esse filho minha paixão pela leitura. Poxa ler só um capítulo pra fazer o trabalho e pronto. Tudo bem, vc pode me dizer que Vidas Secas é um romance que não prende a atenção dos jovens de hoje, que a realidade do Nordeste está muito além da problemática e do universodos nossos adolescentes e por esses motivos meu filho não leu e não se interessou pelo livro. Mas gente, vou  falar a verdade, ser bem realista, meu filho não lê nada, a não ser que seja obrigado. Sei lá, me deu uma tristeza, um sentimento de fracasso. Pode ser exagero, mas foi assim que me senti.

Enquanto isso, depois de uma parada para outras coisas igualmente prazerosas, volto à leitura de mais um do Zuenir. Livro, que ao final de cada capítulo me obriga a parar, pensar, refletir e me invade um desejo enorme de ter conhecido os personagens. Leitura pra mim é isso, lazer, trabalho, prazer, vida.

20 comentários:

Chica disse...

Sei bem como te sentiste! rsss beijos,lindo março,chica

Eliane disse...

Gata minha mãe sabe bem como vc se sente. Leitora voras, ela teve 4 filhos, mas so eu gosto do cheiro do papel de livro. Tentamos de tudo e so funcionou comigo. Agora estou tentando com os sobrinhos acho que terei sucesso com a menina. Um beijo grande da Eliane.

Iram M. disse...

Ai Gi, coitada!
Todos os dias deito pra ler com a minha caçula antes de dormir. Faço isso desde que ainda era preciso eu contar história pra ela. Agora, ela tem nove anos e não consegue dormir sem antes ler. Fico tão feliz. Já a de 17 anos, fiz a mesma coisa e não é de ler muito.
A culpa não é nossa, amiga.
Fique tranquila com isso.

Beijinhossssss

pensandoemfamilia disse...

Oi Gi
Os filhos aprendem muito com nossas ações, mas cada um constrói sua subjetividade pela percepção que tem sobre cada situação que vivencia. Portanto, não fique triste, muitas coisas suas certamente serão posta em prática na vida dele, memo que seja o gosto pela leitura.
Fiquei feliz com sua visita e comentário.

Bjs

Socorro Melo disse...

Oi, Giovanna!

Ler é viajar, pelo mundo da fantasia e do conhecimento.Também adoro ler, sempre gostei. Mas, olha, mesmo na minha época de colégio, alguns adolescentes não gostavam de ler, e só liam, pra cumprirem alguma tarefa da escola mesmo, trabalho, o que fosse. Em fim, não são todas as pessoas que gostam ou têm paciência pra ler. Alguns acham cansativo, outros, descobrem mais tardiamente esse prazer.

Abração
Socorro Melo

Misturação - Ana Karla disse...

iiihhh! Gi,
acho que tenho um parecido com o seu.
Ler apenas o necessário.
Já o mais novo, devora todas as letras, frases e livros que passam em sua frente.
Mas vamos que vamos...rs
Xeros

Eliane disse...

Gi o pudim não leva ovos , é cozido que nem mingau em uma panela e depois posto na forma até gelar. Pra ficar bom uso laranja bem doce com bastante sumo. Experimente vc vai gostar. A o suco é feito em espremedor de laranja tradicional sem bagaço.

Palavras Vagabundas disse...

Gi, não fica triste, às vezes é só uma fase, raramente um adolescente gosta de ler! Como você é leitora e mexe com livros, certamente ele chegará lá. Paciência que pode demorar, rs
bjs
JUssara

Beth/Lilás disse...

Fica triste não, minha filha, aqui em casa é a mesma coisa, mas me surpreendo às vezes com um livro daqueles bem complicados nas mãos do Daniel, como Metamorfose de Kafka.
Não dá pra entender a cabeça desses jovens de hoje, fala sério! rsss
bjs cariocas

Macá disse...

Gi
Não fique triste não, embora eu também já tenha ficado muitas vezes pelo mesmo motivo. Eles leem o que gostam. Os livros do Harry Potter, assim que saia, meu filho mesmo comprava ou eu já tinha encomendado, e não largava antes de terminar. Agora, sem muito tempo, só os da faculdade mesmo.
Eu ainda tenho esperanças, vamos ver.
Eu fiquei (ainda estou) um pouco ausente, mas vi que você estava de luto pela morte do cônego Maurício. É triste mesmo perdermos a companhia de alguém com quem convivemos durante tanto tempo. A saudade fica, mas ainda bem que você tem bons momentos fotografados - em imagens e na lembrança.
um beijo

Vanessa disse...

Olá, minha comentarista mais fiel.....hihihihih
Tudo bem por aí!?
Éh infelizmente deveríamos adquirir o hábito na escola com reforço em casa, mas um sem o outro às vezes não funciona não é mesmo.
O que é mais comum hoje em dia, na verdade já era na minha época de escola e olha que já se vão uns 20 anos, a escola não é das melhores influências para o hábito da leitura eu mesma nunca lia um livro inteiro só começei a ler mesmo com gosto depois de muito tempo......
Mas mesmo assim as crianças hoje leêm mais que antes
Bjsss

Lulú disse...

Olá Gi
Tive cinco filhos e leitor mesmo, só tive um.
Somente adultos, os outros começaram aderir.
Beijos.
Maria Luiza (Lulú)

Glorinha L de Lion disse...

Amiga, console-se comigo...apesar de eu ser do jeito que sou, como vc bem sabe, meus filhos não herdaram nem um décimo de meu amor pelos livros. A Thaís ainda l~e alguma coisa, mas meu filho só quer saber de computador e mais ainda de vídeo game! Lê pouquísimo! Fazer o que? Agora, já são adultos, não cabe mais interessa´-los pelos livros..passou da época. Falhei ou eles é que nunca quiseram mesmo?...tenho um marido que só lê jornal, vai ver o exemplo dele foi mais incisivo, infelizmente...beijos amada!

Bordados e Retalhos disse...

Ontem a noite, o Vitor me falou que morreu de rir com esse post. Pode? O personagem da história achou a maior graça do meu desabafo. Perdi a moral mesmo. Rsrsrsrs

Tati disse...

OI Gi, você já pensou que não tem nada a ver com você? Que é uma escolha dele? Exemplos ensinam sim, mas não só. Há um universo só dos filhos, impenetrável por nós.
Ler é maravilhoso e ver nossos filhos interessados em livros nos dá uma enorme satisfação, mas de repente suas características e qualidades que se apresentam no Vitor são outras. Você sabe disso, não é? Ele é um menino de ouro, muito fofo, educado, carinhoso...
Este assunto é muito interessante, do quando somos capazes de influenciar nossos filhos e do quanto projetamos de expectativas neles. Adoro!!! Quantas tardes a mais precisamos para colocar tanto papo em dia? rsrs
Beijos.

Meri Pellens disse...

Esse sentimento de fracasso/frustração, penso que faz parte de todas nós, mães. É difícil, né? Doi mesmo.
Beijo na alma, Giovanna.

orvalho do ceu disse...

Olá, querida Giovanna
O interese pela leitura vem de um Dom creio eu... o exemplo arrasta, claro!!! Fui muito incentivada pelo meu padrinho de Batismo... isso me valeu e muito...
Estou oferecendo um Retiro Espiritual até Terça... em meu Blog
pois é tempo de reflexão!!!
Seja muito feliz e abençoada!!!
Bjs de paz

Sonia Guzzi disse...

Olá Giovanna!
Fique triste não, você despertou nele muitas outras coisas nobres e a leitura também está lá...ele só precisa de tempo para perceber...
Grande abraço!
Em divina amizade.
Sonia Guzzi

Maria Célia disse...

Olá Gi
Seu texto ficou muito bom, tem uma dose de comédia.
Mais é assim mesmo, como dizem por aí 'o exemplo é o melhor ensino', mas em muitas situações isto não funciona. Veja bem o que aconteceu com seu filho.
Com certeza ele herdou de você muitas outras coisas boas.
Bjo

Mara D'Almeida disse...

Olá Giovanna!
Nossa que chato hein! MAs quem sabe um dia ele comece a se interessar pela leitura. Minha sobrinha odiava e sua mãe sempre foi amante da leitura, eu aprendi a gostar depois de um certo tempo, quando adolescente tinha preguiça de ler. Minha sobrinha está reagindo como eu, morria de preguiça e hoje pede a mãe dela para comprar livros para que ela possa ler.
Falar nisso preciso devolver seu livro "A menina que roubava livros". Beijos, Mara