sexta-feira, 30 de julho de 2010

Blogagem Coletiva Sentimentos - MEDO

Sempre me considerei uma pessoa muito corajosa. Quando pequena subia em árvores muito altas, desafiando o coração acelerado. Tinha sempre uma resposta na ponta da língua para a minha mãe, independente do tapa que tomaria em seguida. Na adolescência, mesmo com certa timidez, falava muito, não tinha vergonha de ler em voz alta, me posicionar na sala de aula e sempre emitir minhas opiniões. Tudo bem, confesso, tinha medo de escuro e quando morria alguém não conseguia dormir sozinha.

Imagem daqui

No início de minha juventude participei de movimentos sociais e organizações que ainda viviam sob o medo da ditadura militar. Apesar de nunca ter particpado de movimentos muito radicais  confesso que morria de medo de ser presa. Ficava horrorizada ao ouvir os relatos dos ex prisioneiros políticos, as torturas...

Imagem daqui
Nunca deixei os movimentos sociais e a luta por uma sociedade mais justa. Entretanto o tempo de me apaixonar, namorar chegou e   algum tempo o medo de  ficar sozinha, não encontrar o meu grande amor me acompanhou.

Imagem daqui
Enfm encontrei um grande amor e com ele tive filhos e então os medos se multiplicaram em proporções gigantescas. Exageros a parte, devo dizer que primeiro tive medo de perdê-los (os filhos)  ainda na barriga. Depois que nasceram tinha medo de que não conseguissem respirar. Quando não comiam eu tinha medo, quando não dormiam direito eu ficava apavorada e quando choravam eu chorava junto.

Imagem daqui e daqui

Como serei mãe para sempre sinto que para sempre terei medo e que eles são o limite da minha coragem. Tanto para mais como para menos. Posso, por eles, vencer todos os medos, como também por eles, posso senti-los todos. Medo da violência vitimá-los, medo de que não sejam felizes, que fiquem doentes, que não consigam trabalho, que não se saiam bem nos estudos,  que não sejam bons profissionais, medo que sofram... Ai quanto medo ainda tenho, mas quanta coragem me envolve!

Vitor e Vinícius em Dezembro de 1996

Esse post é parte da Blogagem Coletiva Sentimentos proposta pela Glorinha de Lion do Café com Bolo.

25 comentários:

Nilce disse...

Oi, Giovanna

Medos temos muitos, mas realmente depois que somos mães, com certeza conviveremos com um medo constante. Esse meu tipo de medo, com relação aos filhos, chega a um ponto de quando ouço um barulho de ambulância, bombeiro ou coisa parecida, ligo para todos. Até os que moram fora. Pode?
Muito bom seu post. Parabéns!

Bjs no coração!

Nilce

Tati Pastorello disse...

Que texto mais lindo e sensível, Gi!! Me emocionei e me identifiquei demais!! Parabéns. Adorei!!! Beijos.

Eliane disse...

Quantos medos a gente carrega não é amiga. Ainda bem que temos força pra lutar contra eles. Um beijão e tenha um lindo dia sem medo.

pensandoemfamilia disse...

Olá

Vc trata de um medo que nós mulheres, talvez, em sua grande maioria, sentimos: medo em relação a tudo que envolva "as nossas crias".
Mas por outro lado, nossos filhos nos dão força para enfrentarmos situações que não mensurávamos que pudessemos enfrentar.
bjs

Isadora disse...

Oi Gi linda a sua participação e é a maior verdade, pelos filhos podemos ultrapssar todos os medos ou senti-los todos de uma vez. E sentiremos isso para o resto de nossas vidas, mas ao vê-los bem encaminhados deve começar a dar um alívio!
Um grande beijo

Manuela Freitas disse...

Querida Gi,
Gostei muito do teu desenvolvimento do medo, de facto somos pessoas corajosas, mas sempre com muitos medos, porque a vida é um mistério!
Gostei especialmente da tua abordagem aos filhos, de facto «Posso, por eles, vencer todos os medos, como também por eles, posso senti-los todos.»
Parabéns, foste brilhante sentimentalmente.
Beijinhos e bom-fim-de-semana,
Manú

Tati Pastorello disse...

Amiga, voltei só para dizer que você me fez chorar. Dá para não ter medo de uma coisa assim?
Beijos.

Glorinha L de Lion disse...

Querida Giovanna, sabe que toda mãe terá medo pra sempre né? É o nosso quinhão por tamanha felicidade. Depois que eles caminham por caminhos que escolheram, como os meus agora, só nos resta assistir e mesmo com medo, desejar que sejam felizes e que não nos cabe mais a responsabilidade por sua segurança. Lindo e emocionante seu texto, pois mostra o real amor de todas nós que somos mães. Beijos minha amiga!

Crica Viegas disse...

O medo das mães acho que é maior de todos os medos...Achei muito sensível seu texto.

Macá disse...

Giovanna
Porque não? Tivemos medo na infância, na adolescência, já adultas e quando tivemos nossos filhos imaginamos que essa coisa linda poderia nos livrar de todos os medos do mundo. Que nada. Intensificamos nossos medos, não mais tanto por nós, mas agora por eles, independente da idade que tenham. Mas como você disse; por eles também enfrentamos tudo e ainda tentamos fazer não transparecer o medo existente em nós para que se sintam seguros e quem sabe, sem medo.
um beijo

Socorro Melo disse...

Olá, Giovanna!

Os seus medos, são comuns a todas as mães. Também tenho muitos medos, principalmente quando se trata do meu filho. Mas, como você bem disse, a coragem, que é a forma de enfrentar o medo, nos impulsionam, e como mães, parece que ela é redobrada, e nos sentimos invencíveis, pra proteger nossos filhos.

Beijos
Socorro Melo

Lúcia Soares disse...

Giovanna, realmente esse medo das mães é o maior de todos. Também os tenho, mas faço de tudo pra não pensar, mesmo porque 2 filhos moram longe de mim, então se ficar pensando muito, enlouqueço.
Faço minhas orações, coloco-os nas mãos de Maria e sigo minha vida.
Só a força da fé pra nos dar alento!
Beijo!

Meru Sâmi disse...

É, medo de mãe põe em cheque nosso limite, tanto do medo quanto da coragem.E só hoje com meus filhos já bem crescidinhos, posso entender minha mãe e seus zilhões de medos.
Abordagem muito apropriada a sua.

Beijos

Astrid Annabelle disse...

São tantos os medos não é Giovanna?
Pois quando temos nossos filhos ficamos com o sentimento de proteção em estado de alerta para sempre....e esse estado nos faz mover montanhas!
Somos capazes de qualquer coisa...
Belo post...linda participação.
Beijo grande
Astrid Annabelle

cantinho she disse...

Sensacional Gi, parabéns! Beijo, beijo!

Beth/Lilás disse...

Giovanna querida!
Seu post está lindo e bem completo.
Adorei esta frase, pois é justamente o que sinto também:
"Posso, por eles, vencer todos os medos, como também por eles, posso senti-los todos."

um grande beijo carioca e... coragem!

Chica disse...

Muito legal tua participação!Estou voltando pra valer dia 1º.beijos,chica

Lata de Luxo disse...

Ola,querida Giovanna.
Adorei seu relato,esta tao verdadeiro.A parte que vc fala dos medos em relacao aos filhos eu me identifiquei tanto.Sera que todas nos somos iguais nesse aspecto?Eu rezo todos os dias pedindo protecao para os meus,pedindo pela felicidade e bem estar deles.Enfim,maes nao baixam a guarda nunca,ne?
Grande beijo e otimo fim de semana.
zenaide storino.

António Rosa disse...

Ai, os filhos! São eles o nosso elo com a vida. Lindo post. Parabéns.

Alexandre Mauj Imamura Gonzalez disse...

você é uma mulher de muita coragem. Porque você não foi uma voz calada nos dias de chumbo. Porque é muito fácil reclamar, exigir, protestar quando se tem liberdade para isso. Mas em tempos que se calavam bocas com tortura?

Eu achei lindo o seu amor pelos filhos, família. Você citou o medo que tem em relação a eles e não um medo pessoal. Vc é aquela mãe que vai de perto aberto contra qualquer mal, se for para defender e proteger sua cria.

Uma mulher valorosa, isso sim.
bjs e bom fim de semana

Cris França disse...

Gi

tua sensibilidade me encanta

bjs

José Sousa disse...

Olá! Gostei desta sua postagem... Muito informativa, aqui, nós colhemos cultura e mexe muito em nosso coração.
Estaou-lhe seguindo e gosto de ler o que ecreve, me siga tambem, tá?

www.minhaalmaempoemas.blogspot.com
www.queriaserselvagem.blogspot.com
www.congulolundo.blogspot.com

Um grande abraço

Marliborges disse...

Oi Gi,
Esse medo que nós mulheres sentimos em relação aos nossos filhos, desde antes de nascerem é uma coisa meio atávica e, até hoje, não enconrtrei nenhuma mulher que não tenha tido esse tipo de medo. Boa lembrança. Lembrei dos meus medos de grávida.
Adorei o post. Bjssssssss

orvalho do ceu disse...

Oi, querida
Ah! Esse medo que nos persegue e, ao mesmo tempo, nos impulsiona!
Que a CORAGEM E A FÉ te eleve às alturas do teu potencial, menina!
Bjs e serenidade.

Lianara **Lia** disse...

Oi Giovanna!

Só hoje consegui passar por aqui para ver sua postagem sobre o MEDO!

Adorei!!

Parabéns pela criatividade!

Beijos
Lia

Blog Reticências...