terça-feira, 1 de junho de 2010

O Livro Vai Acabar?



Pergunto se o livro tradicional, aquele feito de papel, capa dura, costurado ou colado,  que a gente carrega na bolsa, nas mãos, no bolso, para todos os lados, vai acabar, desaparecer. Com o avanço da tecnologia muita gente ficou preocupada pois surgiram os e-books, os livros eletrônicos. Você lê no computador, no MP4, no celular (credo alguém consegue ler um livro no celular?). Mas essas dúvidas, volta e meia, surgem no cenário biblioteconômico para colocar sempre uma pulga atrás da orelhas dos profissionais, dos amantes dos livros e de todas aquelas pessoas que sentem um prazer enorme em tocar, alisar, abrir páginas, cheirar e claro, ler um livro.         
                                                      
Ontem lendo um artigo de Ubiratan Brasil no Jornal A Gazeta, de Vitória ES, me deparo com o seguinte título,  "Os mestres garantem: o livro não vai acabar". Os mestres a quem se refere o título são: Umberto Eco e Jean-Claude Carrière. Ambos bibliófilos, escritores, um ensaísta (Eco) e outro roteirista (Carrière). Segundo os escritores o formato físico do livro sobreviverá ao e-book. Essa conclusão animadora para quem sofre com a perspectiva do fim do livro surgiu depois de conversa entre os dois e acabou resultando no livro: "Não contem com o fim do livro".


                                                 
Na obra recentemente lançadas pela Editora record, Eco compara a invenção do livro à da roda e diz que  apesar de todo o desenvolvimento que passa a transmissão da  informação, a base é a mesma. Para ele o livro é o meio mais fácil de transportar informação.


Fico pensando qual será realmente o futuro do livro e  mais, qual será o futuro da informação. Quando surgiram os computadores, que beleza, quanta coisa poderíamos guardar, armazenar e nem nos demos conta que menos de 10 anos depois os computadores modernos não seriam mais capazes de ler disquetes (esse também é um questionamento dos autores).  

Tenho aqui, no arquivo que coordeno, livros manuscritos do século XVIII. Se as  informações contidas neles  estivessem apenas  em meios eletrônicos ainda existiriam? Não sei responder mas tenho certeza que preciso preservar os livros para as futuras gerações. Mas gostaria de saber a opinião de vocês: O livro vai desaparecer?


E-book

Aos queridos e queridas que passam por aqui deixo o meu abraço carinhoso!


11 comentários:

Luciana Casado disse...

Nem pensar!! Eu amo livro de papel, capa dura e etc e tal! Não gosto de ler no computador nem em qq outro tipo de coisa. Gosto de folhear as páginas, se não não tem o mesmo gosto!
Bjus, Lu

Maria Lúcia - Asas da Imaginação disse...

Oi Giovanna! Tb acredito que o livro não vai acabar. Um livro de papel é uma espécie de companheiro que fica conosco por um tempo, enquanto o estamos lendo; é como uma amizade... coloca-se um marcador que tem a ver com o momento da leitura, pode ser uma embalagem de um chocolate, uma flor que ganhamos, um cartão; o livro fica com o cheiro do perfume que estamos usando, vai conosco para os lugares aonde vamos, enfim é muito pessoal e especial. O e-book é frio e impessoal.
Beijos.

Eliane disse...

GIIIIIII!!!!!! nem em sonho o livro pode sumir menina. Livro é sempre livro, amo o peso o cheiro de papel novo ou então de livro velho guardado esperando por mim, O livro carrega consigo alem de sua própria historia as historias de que o manuseou antes de mim. Não imagino o mundo sem eles, nem quero.

Fernando. disse...

O livro não pode sumir de jeito nenhum.

Assim como a impressa escrita também não.

Um mundo cada vez mais robótico seria terrível.

Meu beijo!

Por toda minha Vida disse...

Oi.

Nãoooo nem brinca,:( e o que estou escrevendo, nãoooo, rsrssrs...
Brincadeira acabada, um livro é feito de um ideal que se torna objetivo, de sentimento e muita imaginação, livro tem cheiro, cor e até sabor, quando lemos um livro e a história nos encanta levamos conosco para o resto da vida, o meu primeiro foi "Alice no País das Maravilhas - Lewis Carol", me foi dado por duas lindas senhoras o livro eu perdi contudo o guardo na memória.

Beijo

Renata.

Elaine Barnes disse...

Não, o livro nunca vai acabar,pode ser que ele chegue sempre com as opções disponíveis,como braile,virtual etc. Creio que sempre existirá. Montão de bjs e abraços

Silvana - Interior Adentro disse...

Oi Giiii!!

estou absolutamente certa de que o livro não acabará.

A internet está dispo ibilizando há anos livros grátis, mas não colam, não deu a pegada certa.

Minha sobrinha de 19 anos, geração puro sangue da internet, adora ler. É leitora voraz, ama!

Mas ela me diz que nada substitui um bom livro na cama, ou mesmo na hora de estudar. Um dos motivos que ela alega é que a vista fica mais cansada, os pensamentos mais dispersos.

Eu tenho mil motivos para dizer que não acabará: adoro pegar o livro, cheirar, deixá-lo à minha mão na cabeceira... Esse toque pra mim é insubstituivel.

Beijoooo

Nanda Nascimento disse...

Acredito que isto não acontecerá Gi, muitos são os amantes dos livros, enquanto estes existirem o livro irá reinar.

Beijos e flores!

Lidia Ferreira disse...

Minha querida eu gostaria que não acabasse nunca , mas eu acho que vai sim acredito que teremos bibliotecas , mas acho que o fim sera natural , e se pensarmos bem as arvores irão agradecer rsrs
bjs

Bruna disse...

Não consigo pensar no mundo sem livros.Para alguém que gosta muito de ler, eu mesma diga-se de passagem, o livro é muito mais do que um amontoado de papel encapado. Toda vez que leio um livro sinto como se estivesse em um mundo paralelo.Tudo se torna vivo e real, independente do ano em que foi escrito. Também leio os e-books, e tenho que dizer que não é a mesma coisa. É até um pouco frio demais. Mentalmente tenho essa sensação quando penso no e-book e o comparo com um livro. Adoro me esparamar em um canto para folhear as páginas de um livro. É bom de mais manuseá-lo, carregá-lo aonde eu for e muitas vezes saber que aquele mesmo livro pode ter sido lido por muitas outras pessoas. Mesmo com toda a preocupação ecológica, acredito sim que há outras alternativas, como o próprio uso do papel reciclado (que inclusive já testei em meu projeto de pesquisa e ví que pode dar certo). Seria um desperdicio muito grande se acabassem. Mas eu acredito que isso não vá acontecer! Grande abraço!

Beth/Lilás disse...

Ai, amiga, pressinto o fim sim!
Triste para nós que amamos folhear um bom livro, tê-los juntos a nós, aqueles que mais amamos, que não queremos dar a ninguém e nunca.
Mas, como disse a amiga mais acima, as árvores agradecerão.
bjs cariocas